25/10/16

LEMBRETE


Se procurar bem você acaba encontrando.
Não a explicação (duvidosa) da vida,
Mas a poesia (inexplicável) da vida.

Carlos Drummond de Andrade

03/01/16

Feliz Ano Novo!

RECEITA DE ANO NOVO
(Carlos Drummond de Andrade)

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

02/10/15

Refletindo...

"Há duas formas para viver a sua vida: 
Uma é acreditar que não existe milagre. 
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre"

Fernando Pessoa

07/09/15

A FELICIDADE

Vinicius de Moraes, Antonio Carlos Jobim

Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranquila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor

A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei ou de pirata ou jardineira
Pra tudo se acabar na quarta-feira

Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar

A minha felicidade está sonhando
Nos olhos da minha namorada
É como esta noite, passando, passando
Em busca da madrugada
Falem baixo, por favor
Pra que ela acorde alegre com o dia
Oferecendo beijos de amor

Editora Musical Arapuã

13/07/15

Poema da purificação

Depois de tantos combates
o anjo bom matou o anjo mau
e jogou seu corpo no rio.
As água ficaram tintas
de um sangue que não descorava
e os peixes todos morreram.
Mas uma luz que ninguém soube
dizer de onde tinha vindo
apareceu para clarear o mundo,
e outro anjo pensou a ferida
do anjo batalhador.

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

12/02/15

Poema

Presságio
O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar pra ela,
Mas não lhe sabe falar.
Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente…
Cala: parece esquecer…
Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!
Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!
Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…
Fernando Pessoa

01/01/15

Reflexão

"Não sou nem otimista, nem pessimista. Os otimistas são ingênuos, e os pessimistas 
amargos. Sou um realista esperançoso. Sou um homem da esperança. Sei que é para um 
futuro muito longínquo. Sonho com o dia em que o sol de Deus vai espalhar justiça pelo 
mundo todo".
Ariano Suassuna

09/07/14

Esperança

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E — ó delicioso voo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança…
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA…

Mario Quintana

13/06/14

SANTO ANTÔNIO


Santo Antônio! Santo Antônio!
Meu santinho tão querido,
Quero pedir, em segredo,
Que me arranje um marido.
Não é pra já... nada disso!
Que eu ainda sou criança,
Não posso ter compromisso,
Mas posso ter esperança...
Que vá o tempo passando,
Vá o senhor me arranjando...
Em todo o caso, a meu ver,
Já que o tempo é tanto assim,
Há tempo para escolher
Um bom marido pra mim.
Eu quero um moço fagueiro
Alto, bonito, valente,
Que ganhe muito dinheiro
E me dê muito presente.
Que seja rapaz direito
E não tolo atrevido,
Pois seja assim com o jeito
Do papaizinho querido.
Não é pra já, não senhor!
Mas... seja lá como for,
Mais dia ou menos dia,
Não quero é ficar pra tia!
Autora: Magdalena Léa
Livro: "A Criança Recita"

22/04/14

A importância da leitura para as questões objetivas do Enem

                                                                                                     Mayra Gabriella de Rezende Pavan

     Os vestibulares e concursos avaliam o candidato a partir de questões de múltipla escolha (prova objetiva), que é uma forma rápida e direta de perceber a capacidade que cada um possui, ou seja, as potencialidades que cada um tem para a leitura, seleção, organização e interpretação das situações apresentadas.
     A prova objetiva torna-se difícil, pois exige uma leitura cuidadosa, atenta aos detalhes, portanto, tudo é importante, da data em que o texto foi escrito à imagem que está sendo veiculada a ele. Não deixar que nenhuma informação se perca é essencial, pois, o leitor competente é ativo, sendo assim, ele não para na “superfície” do texto, busca sempre a sua essência.
    Após a leitura atenta dos textos, passa-se para a leitura dos enunciados. Alguns serão logo descartados por não apresentarem compatibilidade com o que está sendo proposto. No entanto, há sempre aquelas duas ou três “afirmativas” que deixam o candidato em dúvida. Quando isso acontecer, lembre-se de que é a questão mais adequada que será considerada correta, logo o que deve ser analisado é a coerência interna (a lógica entre as ideias apresentadas) e a compatibilidade entre a resposta e o enunciado.   
    No momento da leitura, não se esqueça de que as palavras podem apresentar-se em sentido real (próprio) ou figurado – quando ganham novas significações. Logo, procure adequar o seu olhar ao contexto apresentado.      
    O candidato é prejudicado pelo excesso de confiança ou pela falta dela. Alguns veem a questão e a consideram tão fácil que não se preocupam em lê-la atentamente, sendo um forte candidato a perder a questão por displicência. Outros, no entanto, não se consideram aptos para responder, antes mesmo de ler as proposições, desistem sem nem ao menos ter tentado. Ambas as posturas devem ser eliminadas, pois prejudicam.
    Utilizar o conhecimento de mundo, ou seja, tudo que foi aprendido ao longo da vida, seja na escola ou fora dela, é muito importante e torna-se um diferencial, pois, segundo Leonardo Boff, cada um lê com os olhos que tem.
    Para finalizar, é fundamental manter a atenção concentrada, portanto, não perca o foco.

    http://vestibular.brasilescola.com/

15/03/14

Canção do Exílio

Gonçalves Dias

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

12/03/14

Verbo ser

Que vai ser quando crescer? Vivem perguntando em redor. Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome? Tenho os três. E sou? Tenho de mudar quando crescer? Usar outro nome, corpo e jeito? Ou a gente só principia a ser quando cresce? É terrível, ser? Dói? É bom? É triste? Ser; pronunciado tão depressa, e cabe tantas coisas? Repito: Ser, Ser, Ser. Er. R. Que vou ser quando crescer? Sou obrigado a? Posso escolher? Não dá para entender. Não vou ser. Vou crescer assim mesmo. Sem ser Esquecer.

                            Carlos Drummond de Andrade